Preservação da Fertilidade

As técnicas de preservação da fertilidade permitem que você tenha a liberdade de escolher quando quer ter filhos, seja por meio do congelamento de gametas (óvulos e espermatozoides), seja por meio do congelamento de embriões.

Preservar a fertilidade e cuidar da saúde reprodutiva são temas recentes e ainda pouco popularizados. Entretanto, é cada vez mais comum que homens e mulheres priorizem a vida profissional e estabilidade financeira e emocional para depois buscar a paternidade ou a maternidade.

Além disso, outros fatores e doenças podem surgir e comprometer a fertilidade feminina e masculina.

Diante disso, as técnicas de preservação da fertilidade se tornam cada vez mais importantes para aquelas pessoas que desejam ou precisam adiar o sonho de ter filhos por motivos diversos.

Preservação da Fertilidade Feminina​

preservação da fertilidade feminina

A mulher nasce com uma quantidade definida de óvulos, ou seja, todos os seus óvulos foram produzidos enquanto ela se desenvolvia no útero da sua mãe.

Para você ter uma ideia, estima-se que uma menina nasce com cerca de 2 milhões de óvulos, sendo que na primeira menstruação esse número cai para 400 mil e aos 35 anos para 25 mil óvulos.

Enquanto não são ativados pelos ovários, para que ocorra a ovulação, os óvulos vão perdendo sua qualidade e isso pode levar à dificuldade para engravidar.

Apesar de não ser possível ainda impedir que essas células envelheçam, conseguimos coletar os óvulos e congelá-los para preservar o potencial fértil da mulher. O congelamento de óvulos surgiu como uma alternativa para tentar driblar a queda natural da fertilidade feminina, a fim de aumentar as chances de ser mãe no futuro.

Assim, a criopreservação ou congelamento de óvulos antes dos 35 anos é o melhor caminho para as mulheres que desejam postergar a maternidade.

Conheça as principais indicações e quando congelar óvulos é necessário para a preservação da fertilidade:

  • OVARIANA: mulheres que têm como antecedente familiar a menopausa precoce ou falência ovariana prematura (FOP) e, portanto, o risco aumentado de ter sua reserva ovariana comprometida ainda em idade reprodutiva.
  • ONCOLÓGICA ou ONCOFERTILIDADE: pacientes que irão se submeter a tratamentos de quimioterapia e/ou radioterapia contra o câncer. A agressividade dos tratamentos oncológicos pode ter diversos efeitos no organismo e no potencial reprodutivo como, por exemplo, a destruição total ou parcial da reserva de óvulos, o que pode levar a mulher a infertilidade no futuro.
  • SOCIAL: mulheres que querem postergar a gestação sem perspectivas de ter filhos antes dos 35 anos; que aceitam doar parte de seus óvulos para um banco de óvulos com o intuito de auxiliar outros casais que não podem ter filhos; assim como para mulheres casadas que não querem congelar embriões por motivos filosóficos, éticos ou religiosos.
  • CIRÚRGICA: indicada para mulheres que irão realizar a laqueadura tubária e não tem certeza se desejarão ter filhos novamente, bem como para mulheres que irão se submeter a cirurgia para retirada de um teratoma ou endometrioma no ovário, o que pode comprometer a reserva ovariana.

O procedimento para coleta dos óvulos envolve o uso de medicação para estimular os ovários, a partir do 2° ou 3° dia da menstruação. Por volta do 12° dia, os óvulos são coletados e entregues ao embriologista, que irá selecionar os óvulos maduros e de melhor qualidade para serem congelados.

Inovadora, a técnica de preservação da fertilidade consiste em congelar os óvulos em nitrogênio líquido, para que sejam utilizados futuramente. É um método seguro que não apresenta riscos à paciente e nem ao futuro bebê.

O processo de congelamento de óvulos mais eficaz é a vitrificação, no qual a solução crioprotetora passa do estado líquido para o sólido, sem que ocorra a formação de cristais de gelo, que são bastante prejudiciais às células e podem causar danos irreversíveis. Cerca de até 95% dos óvulos vitrificados superam esse processo, frente a 50% ou 60% dos congelados por outras técnicas.

Para as mulheres que não foram orientadas a congelar óvulos antes de tratamentos oncológicos, cirurgias ou situações de risco à fertilidade feminina antes dos 35 anos, o que pode impossibilitar a gravidez com seus próprios óvulos, ainda assim, é possível ter filhos.

preservação da fertilidade feminina congelamento de óvulos

Nesses casos, existe a possibilidade de importar óvulos de bancos internacionais parceiros da Fertivitro e, assim, por meio da fertilização in vitro (FIV), ter a chance de realizar o sonho da maternidade.

Preservação da Fertilidade Masculina

preservação da fertilidade masculina

A técnica de preservação da fertilidade também está disponível para os homens, por meio do congelamento de sêmen.

Apesar dos homens contarem com uma queda da fertilidade bem mais tardia, quando comparado com as mulheres, e continuarem produzindo espermatozoides após os 40 anos, a cada ano seus níveis de testosterona caem em média 1%, o que afeta a fertilidade masculina e, portanto, a qualidade dos espermatozoides.

Hoje, muitos homens optam por ter filhos após os 45 anos, porém os riscos durante a gravidez aumentam e as chances de o bebê nascer com problemas também.

Além disso, a qualidade dos espermatozoides impacta diretamente na qualidade dos embriões formados e nas chances de sucesso de gestação, mesmo em tratamentos de reprodução humana assistida.

Conheça as principais indicações e quando congelar sêmen é necessário para a preservação da fertilidade:

  • ONCOLÓGICA ou ONCOFERTILIDADE: pacientes que irão se submeter a tratamentos de quimioterapia e/ou radioterapia contra o câncer. A agressividade dos tratamentos oncológicos pode interromper definitivamente a produção de espermatozoides e levar o homem a infertilidade.
  • SOCIAL: homens que desejam adiar a paternidade, que exercem profissões de risco, bem como aqueles diagnosticados com doenças degenerativas que podem afetar a fertilidade.
  • CIRÚRGICA: indicada antes da vasectomia para homens que não tem certeza se desejarão ser pais novamente. Do mesmo modo, antes de cirurgia na próstata e/ou nos testículos para aqueles que ainda desejam formar uma família.

A coleta da amostra seminal é realizada de forma simples por meio de masturbação ou, quando o homem apresenta baixa contagem de espermatozoides, por meio de punção testicular ou do epidídimo.

O material é analisado para avaliar a qualidade e a quantidade dos espermatozoides e, na sequência, armazenado em nitrogênio líquido a -196°C por tempo indeterminado. 

De fato, existem diversos fatores que podem reduzir o potencial fértil do homem, isto é, a fertilidade masculina. Nos casos em que o homem não pôde preservar a fertilidade, é possível recorrer a bancos de sêmen de doadores anônimos.

Ao optar pelo congelamento de sêmen, os homens que desejam ter filhos no futuro podem recorrer à fertilização in vitro (FIV) e, assim, alcançar a paternidade.

preservação da fertilidade masculina congelamento de espermatozoides

Preservação da Fertilidade Conjugal

Além do congelamento de óvulos e espermatozoides, é possível também realizar o congelamento de embriões.

Normalmente, as pessoas que já têm um relacionamento estável, bem como aquelas que já decidiram ter filhos por produção independente, podem optar por essa técnica.

Isso porque alguns estudos sugerem que os embriões são mais resistentes ao processo de descongelamento do que os óvulos, que ainda terão que ser fertilizados.

Na preservação da fertilidade, o congelamento de embriões pode ser a escolha do casal após o tratamento de fertilização in vitro (FIV) ou de injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI) quando:

  • EMBRIÕES EXCEDENTES: na impossibilidade de transferir todos os embriões formados no mesmo ciclo e para evitar gestação múltipla.
  • PLANEJAMENTO FAMILIAR: o casal planeja ter filhos, mas não agora, quer seja por motivos profissionais, quer seja por motivos pessoais.
  • TRATAMENTO MÉDICO: um dos companheiros se submeterá a tratamento médico ou cirúrgico que pode reduzir a fertilidade.

Para utilizar essa técnica, é importante que o embrião seja de boa qualidade, isto é, tenha condições de suportar todas as etapas do congelamento. Os embriões são conservados a uma temperatura de -196ºC, em um tanque com nitrogênio líquido.

A técnica consiste na substituição da água presente no citoplasma das células por uma solução crioprotetora, para evitar a formação de cristais de gelo, que são prejudiciais ao embrião, durante o congelamento. Assim, o desenvolvimento do embrião é temporariamente bloqueado. Esse processo tem o propósito de preservar, da forma menos traumática possível, todas as estruturas celulares.

preservação da fertilidade congelamento de embriões

No momento do descongelamento para transferência embrionária, os crioprotetores são retirados de forma gradual enquanto o meio de cultura ocupa seus espaços, fazendo com que as células retomem suas atividades metabólicas.

No congelamento de embriões, o casal assina um Termo de Consentimento para autorizar a realização da técnica. Do mesmo modo, o casal deve definir de comum acordo o destino dos embriões em caso de divórcio, dissolução de união estável ou falecimento de um dos parceiros ou ambos e se desejam doar os embriões excedentes.

Por quanto tempo gametas e embriões podem ser congelados?

Tanto os gametas (óvulos e espermatozoides) quanto os embriões podem ser congelados por tempo indeterminado, sem afetar sua qualidade, até que a mulher ou o casal encontre o momento ideal para formar sua família.

Na Fertivitro Centro de Reprodução Humana dispomos de um laboratório de FIV próprio com equipamentos de última geração e tecnologia moderna, o que nos permite realizar todas as técnicas para a preservação da fertilidade feminina e masculina.

Para tanto, seguimos criteriosamente todas as normas éticas da Resolução CFM n° 2.294 de 27 de maio de 2021.

preservação da fertilidade

Agende uma consulta com os nossos especialistas para uma avaliação e tire suas dúvidas sobre os tratamentos!

Entre em contato!